Arquivo do blog

por Suelen Castilho. Tecnologia do Blogger.

Fez-se mar


A calmaria que sempre pediu, nunca chegou.
O mar revolto trazia toda a sua fúria.
Não sabia sequer o que era silêncio, tão pouco paz.
Batia nas pedras em busca.
Passou dias.
Passaram meses.
As mesmas fotografias, como retratos, não mais espelhos.
Espelhos d'água que não se fez
Espelhos d'alma que se perdeu.
Fecha os olhos, menina
E escuta as cantorias deste mar.
Abre os olhos, menina
Mesmo cansada de sonhar.


...........................


                                                                                                 Sento-me, mar, a ouvir-te 
                                                                                          Te sentarias tu, mar, para escutar-me?

                                                                                                          (Vinicius de Moraes)